Boaventura questiona o efeito da pandemia sobre o Capitalismo, colonialismo e patriarcalismo

Reprodução Instituto Vladimir Herzog

O sociólogo português Boaventura de Sousa Santos publicou no início de junho, um artigo que resume não só o momento em que estamos passando, mas faz um levantamento histórico e crítico em cima de diversos momentos que marcaram a história da nossa pós-modernidade.

No artigo, Boaventura inicia o texto falando sobre qual o conceito do tempo, refere-se a Santo Agostinho e levanta algumas questões relacionadas a terminologia. Isso para contextualizar o que estamos passando, por causa do novo coronavírus, e as possíveis “marcas” que serão deixadas posteriormente.

Penso que vai provocar um abalo tectónico no nosso modo de ver e sentir a sociedade em duas linhas de fractura: a hierarquia temporal entre o antes e o depois, e a hierarquia natural entre o inferior e o superior. As opções serão a prazo dramáticas e, no melhor dos casos, duas novas ordens temporais emergirão com destaque: contemporaneidade e complementaridade.

Boaventura

Ele reforça o abalo nas visões eurocêntricas, nas suposições hierárquicas de senso comum e que essa nova era virá a ascensão de questionamentos e modos diferentes de ver a vida. Dentro desta argumentação ele questiona a resposta à doença, dos ditos países subdesenvolvidos, conhecidos como pobres, uma vez que, estes buscaram rapidamente soluções ou formas de interferir a disseminação do vírus, enquanto a realidade dos países ricos, foi contrária e não houve de fato uma busca por estagnar as contaminações ou de solucionar os problemas.

A pandemia não inverte as actuais hierarquias no sistema mundial. Este assenta em três dominações: o capitalismo, o colonialismo e o patriarcado. Enquanto elas se mantiverem, o Norte global continuará a impor as suas regras desiguais ao Sul global.

Boaventura

O poder do Estados Unidos (EUA) é questionado, uma vez que este se retrata como salvador do mundo, a maior e mais forte potência econômica do planeta e quando é ameaçado de alguma forma por outra economia os exércitos logo invadem esse local doutrinam,  interferem nas decisões daquele e coloca-os em guerras, além de saquear a matéria prima desses países. Entretanto, o autor indaga sobre essa falsa proteção dos EUA, por este ter sido falho em conseguir conter a expansão da doença, por dentro do seu território e por todo o planeta.

O que a pandemia revela é que não é a superioridade que gera a hierarquia, é a hierarquia que gera a superioridade. Revela, também, que a hierarquia temporal é o resultado de uma violenta amputação de tempos históricos. Os países do Sul não vieram depois, não chegaram ‘atrasados’ à história global. Existiam antes e por vezes com culturas milenares que antecederam o contacto com o Norte. São posteriores porque o colonialismo separou violentamente o seu passado do seu futuro.

Boaventura

A pandemia abre a oportunidade para uma transformação epistémica, cultural e ética que permita ver a diversidade entre países como diferentes formas de a sociedade global ser contemporânea de si mesma. E a diversidade não enriquece a experiência do mundo senão pela via da complementaridade. O que só será possível na exacta medida em que forem ganhando força as lutas anticapitalistas, anticolonialistas e antipatriarcais.

Boaventura

 

Boaventura reforça que os hábitos adquiridos pela hierarquia que separa o inferior do superior, mais especificamente a hierarquia entre a natureza e a sociedade/humanidade foi desestabilizada pela pandemia, uma vez que antes usávamos dos recursos naturais como se fossem infinitos, sem pensar nas consequências do seu fim e com o novo coronavírus não passamos estar em guerra contra o vírus, porém a natureza é quem vem lutando para se defender deste emissário.

Confira o texto original, clicando aqui.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

Se é Fake, não é News

Quando começou a medida de distanciamento social no Brasil por conta da pandemia do Covid-19, nós alertamos para o crescimento das Fake News.  Esse sistema

Home office: ecologia digital e a precarização do trabalho

Nesse novo normal que mais tarde ou menos tarde chegará, certo que o home office terá seu lugar. Muitas atividades resistentes à sua implantação foram obrigadas pela pandemia a se verem “incluídas” no mundo digital, com uma espantosa exigência por produtividade.

Conservação do Solo

Como biólogo tenho muita preocupação com a sustentabilidade do planeta, nesta foto aí estou trabalhando no plantio para recuperação da nascente do Rio Paraibuna, no município de Antônio Carlos.